Tag Archives: Oscar 2014

News: Veja a lista dos vencedores do Oscar 2014!

3 mar

bhxwutnceaateq6

E finalmente aconteceu o Oscar 2014, o prêmio mais esperado do ano para o ramo cinematográfico, com muitas estrelas, música e algumas surpresas, como a do prêmio de melhor atriz coadjuvante para Lupita Nyong’o por 12 anos de escravidão e a foto acima (rsrsrs).

A 86ª edição do Oscar em sua maioria seguiu o que outras premiações haviam anunciado antes. O longa Gravidade saiu como o grande vencedor com 7 estatuetas, e 12 Anos de Escravidão venceu o prêmio de Melhor Filme.

Vejamos como ficou:

Filme
“12 anos de escravidão”
“Gravidade”
“Trapaça”
“Capitão Phillips”
“Clube de compras Dallas”
“Ela”
“Nebraska”
“Philomena”
“O lobo de Wall Street”

Diretor
Alfonso Cuarón, de “Gravidade”
Martin Scorsese, de “O lobo de Wall Street”
Steve McQueen, de “12 anos de escravidão”
Alexander Payne, de “Nebraska”
David O. Russell, de “Trapaça”

2014-03-03t044821z_1959097707_tb3ea330dcb31_rtrmadp_3_oscars

Cate Blanchett agradecendo pelo prêmio de Melhor Atriz por Blue Jasmine

Atriz
Cate Blanchett, de “Blue Jasmine”
Sandra Bullock, de “Gravidade”
Judi Dench, de “Philomena”
Amy Adams, de “Trapaça”
Meryl Streep, de “Álbum de família”

mathe

Matthew McConaughey ganhou por Melhor Ator em Clube de Compras Dallas

Ator
Christian Bale, de “Trapaça”
Bruce Dern, de “Nebraska”
Leonardo DiCaprio, de “O lobo de Wall Street”
Chiwetel Ejiofor, de “12 anos de escravidão”
Matthew McConaughey, de “Clube de compras Dallas”

kk

Lupita Nyong’o levou por Melhor Atriz Coadjuvante em 12 Anos de Escravidão

Atriz coadjuvante
Sally Hawkins, de “Blue Jasmine”
Jennifer Lawrence, de “Trapaça”
Lupita Nyong’o, de “12 anos de escravidão”
Julia Roberts, de “Álbum de família”
June Squibb, de “Nebraska”

uuuu

Jared Leto levou a estatueta de Melhor Ator Coadjuvante por Clube de Compras Dallas

Ator coadjuvante
Barkhad Abdi, de “Capitão Phillips”
Bradley Cooper, de “Trapaça”
Michael Fassbender, de “12 anos de escravidão”
Jared Leto, de “Clube de compras Dallas”
Jonah Hill, de “O lobo de Wall Street”

Roteiro original
Eric Warren Singer e David O. Russell, de “Trapaça”
Woody Allen, de “Blue Jasmine”
Craig Borten e Melisa Wallack, de “Clube de compras Dallas”
Spike Jonze, de “Ela”
Bob Nelson, de “Nebraska”

Roteiro adaptado
Billy Ray, de “Capitão Phillips”
Richard Linklater, Julie Delpy e Ethan Hawke, de “Antes da meia-noite”
Steve Coogan e Jeff Pope, de “Philomena”
John Ridley, de “12 anos de escravidão”
Terence Winter, de “O lobo de Wall Street”

Maquiagem e cabelo
“Clube de compras Dallas”
“Jackass apresenta: Vovô sem vergonha”
“O cavaleiro solitário”

Figurino
“Trapaça”
“O grande mestre”
“O grande Gatsby”
“The Invisible Woman”
“12 anos de escravidão”

Animação
“Os Croods”
“Ernest & Celestine”
“Frozen: Uma aventura congelante”
“Meu malvado favorito 2”
“Vidas ao vento”

Efeitos visuais
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“Homem de ferro 3”
“O cavaleiro solitário”
“Star trek: além da escuridão”

Curta-metragem
“Aquel no era yo”
“Avant que de tout perdre”
“Helium”
“Pitääkö Mun Kaikki Hoitaa?”
“The Voorman Problem”

Documentário em curta-metragem
“CaveDigger”
“Facing fear”
“Karama has no walls”
“The lady in number 6: Music saved my life”
“Prison terminal: The last days of private Jack Hall”

Documentário em longa-metragem
“The act of killing”
“Cutie and the Boxer”
“Dirty Wars”
“The Square”
“A um passo do estrelato”

Edição de som
“All Is Lost”
“Capitão Phillips”
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“O grande herói”

Mixagem de som
“Capitão Phillips”
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
“O grande herói”

Curta-metragem de animação
“Feral”
“Get a horse!”
“Mr. Hublot”
“Possessions”
“Room on the broom”

Fotografia
“O grande mestre”
“Gravidade”
“Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
“Nebraska”
“Os suspeitos”

Edição
“Trapaça”
“Capitão Phillips”
“Clube de compras Dallas”
“Gravidade”
“12 anos de escravidão”

Filme estrangeiro
“Alabama Monroe” (Bélgica)
“A grande beleza” (Itália)
“A caça” (Dinamarca)
“The missing picture” (Camboja)
“Omar” (Palestina)

Design de produção
“Trapaça”
“Gravidade”
“O grande Gatsby”
“Ela”
“12 anos de escravidão”

Canção original
“Happy”, de “Meu malvado favorito 2” – Pharrell Williams (música e letra)
“Let it Go”, de “Frozen: Uma aventura congelante” – Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez (música e letra)
“The Moon Song”, de “Ela” – Karen O (música e letra) e Spike Jonze (letra)
“Ordinary Love”, de “Mandela: Long walk to freedom” – Bono, Adam Clayton, The Edge, Larry Mullen Jr. e Brian Burton

Trilha sonora original
John Williams, de “A menina que roubava livros”
Steven Price, de “Gravidade”
William Butler e Owen Pallett, de “Ela”
Alexandre Desplat, de “Philomena”
Thomas Newman, de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins”

 

 

 

 

 

 

Crítica: Trapaça (2014)

24 fev

trapaça

Vamos lá meus leitores amados e queridos, então, eu já havia assistido este filme tem algum tempo também, mas devido aos motivos que vocês já sabem, não consegui postar ainda, até porque não é legal fazer uma coisa mal feita para vocês só para ter um post sobre um filme que eu já tenha visto. Não é legal! Mas como o Oscar já é na semana que vem, próximo domingo dia 2 de março, resolvi dá uma apressadinha nas coisas e postar a minha modesta crítica de um dos longas mais destacados desse ano, ou do ano passado. Vamos lá!

Trapaça é um daqueles filmes que, ou você gosta, ou acha terrivelmente chato e cansativo. Devido ao seu ritmo bastante acelerado, principalmente nos diálogos, algumas pessoas podem não se identificar ou até não entender mesmo, é bastante natural, isso já aconteceu comigo várias vezes, inclusive tendo de ver o filme mais 1 ou 2 vezes para pode pegar toda a ideia.

Pois bem, com um elenco cheio de estrelas dessa nova geração como a nova queridinha da América Jennifer Lawrence, Amy Adams, Jeremy Renner, Bradley Cooper e até o eterno Batman, Christian Bale, Trapaça aparece como um tipo de 13 Homens e 1 Segredo ambientado na década de 70, é, acho que é 70 mesmo, pois se não me engano, cheguei até a ouvir Donna Summer na trilha sonora, adoro!

A sinopse apresenta a história de Irving Rosenfeld (Christian Bale), um homem de índole bastante duvidosa, para não dizer canalha mesmo, que após conhecer a bela Sydney Prosser (Amy Adams) e se apaixonar perdidamente por ela, começam a trabalhar juntos dando vários golpes por aí. Só que a coisa começa apertar quando o agente Richie do FBI (Bradley Cooper), os força a ter de colaborar com ele em uma operação para pegar peixes ainda maiores no ramo da corrupção. É então que eles tentam de todas as maneiras desmascarar o prefeito Carmine Polito (Jeremy Renner), que possui uma imagem de “santo” perante à sociedade. E a coisa piora mais ainda, quando a esposa de Irving, a desequilibrada Rosalyn (Jennifer Lawrence), aparece para deixar tudo ainda mais louco.

Primeira coisa que vou dizer é o que muita gente já deve ter pensado, bom, pelo menos boa parte dos meus amigos concordaram comigo, de que Jennifer Lawrence não merecia uma indicação ao Oscar e muito menos ter ganho o Globo de Ouro por esse papel. Sabe, gosto dela como atriz, vejo um futuro promissor na carreira da moça, mas definitivamente ela está sendo muito super estimada. Até agora o melhor papel dela foi em o Inverno da Alma (2010), filme pelo qual foi indicada ao Oscar devido a sua ótima carga dramática, mas não ganhou pelo simples fato de que Natalie Portman estava realmente imbatível naquele ano em Cisne Negro (2010).

Amy Adams está em um nível um pouco acima dos papéis que costuma interpretar por aí. Bradley Cooper vem melhorando gradativamente, Jeremy Renner pra mim vem seguindo muito bem com os trabalhos que tem interpretado, até acredito que algum dia a estatueta mais cobiçada do mundo seja dele, mas quem roubou a cena realmente foi Christian Bale, ele sim foi quem levou o filme até o fim e soube colocar na medida certa o tom de seu personagem, sem cair na caricatura ou ficar engessado.

A direção está na medida certa, o filme teria tudo para se tornar consideravelmente chato e cansativo, mas David O. Russell soube levar a coisa de uma forma verdadeiramente interessante. E ah! os figurinos estavam realmente impecáveis. Eu me matava de rir com as roupas do personagem de Bale, muito bom!

No mais achei o longa bem legal, porém nada demais, e se ele ganhar o prêmio de Melhor Filme, eu juro que vou lá dá na cara do comitê do Oscar, pois definitivamente ele não chega a tanto, se bem que a película nem tá nos “top trends”, mas mesmo assim. Recomendo!

Trailer:

News: 12 Anos de Escravidão e Robocop estreiam hoje!

21 fev

oie

Vamos lá meus queridos, que hoje meu tempo tá super corrido, então vamos postando aqui as maiores estreias da semana.

Hoje temos o novo filme americanizado do brasileiro José Padilha, que aliás tem gerado muita publicidade mundo afora, é o Robocop, aquele famoso dos anos 90, só que agora reformulado. E também temos o indicado ao Oscar desse ano, que inclusive também já levou alguns prêmios como Globo de Ouro e BAFTA pra casa, o aclamado 12 Anos de Escravidão, longa cogitadíssimo a ganhar a estatueta de melhor filme. Então vejamos!

12 Anos de Escravidão: “Esta história, baseada em fatos reais, apresenta Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um escravo liberto que é sequestrado em 1841 e forçado por um proprietário de escravos (Michael Fassbender) a trabalhar em uma plantação na região de Louisiana, nos Estados Unidos. Ele é resgatado apenas doze anos mais tarde, por um advogado (Brad Pitt).”

Robocop: “Em um futuro não muito distante, no ano de 2028, drones não tripulados e robôs são usados para garantir a segurança mundo afora, mas o combate ao crime nos Estados Unidos não pode ser realizado por eles e a empresa OmniCorp, criadora das máquinas, quer reverter esse cenário. Uma das razões para a proibição seria uma lei apoiada pela maioria dos americanos. Querendo conquistar a população, o dono da companhia Raymond Sellars (Michael Keaton) decide criar um robô que tenha consciência humana e a oportunidade aparece quando o policial Alex Murphy (Joel Kinnaman) sofre um atentado, deixando-o entre a vida e a morte.”

Sinopses por AdoroCinema

News: Veja a lista dos vencedores do prêmio BAFTA

17 fev

20655383

Pois é meu povo, o Oscar vem chegando, porém antes dele, muita água segue rolando, como o prêmio britânico BAFTA, que aconteceu no último domingo (16), no qual os filmes 12 Anos de Escravidão e Gravidade saíram como os grandes vencedores.

O longa de ficção que traz Sandra Bullock no elenco conseguiu 6 prêmios, enquanto o filme de Steve McQueen conseguiu 2 premiações, sendo que 1 por melhor filme e a outra de melhor ator. Entre outros ganhadores, temos novamente Jennifer Lawrence por Trapaça, Cate Blanchett por Blue Jasmine, O Grande Gatsby etc.

Melhor filme
12 Anos de Escravidão

Melhor filme britânico
Gravidade

Melhor filme de estreia de um diretor, produtor ou roteirista britânico
Kieran Evans (Kelly + Victor)

Melhor diretor
Alfonso Cuarón (Gravidade)

Melhor ator
Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão)

ator

Chiwetel Ejiofor recebeu por melhor ator em 12 Anos de Escravidão

Melhor atriz
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

cate

Cate Blanchett com o prêmio de melhor atriz por Blue Jasmine

Melhor ator coadjuvante
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)

Melhor atriz coadjuvante
Jennifer Lawrence (Trapaça)

Melhor roteiro original
Eric Singer e David O. Russell (Trapaça)

Melhor roteiro adaptado
Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena)

Melhor filme de animação
Frozen – Uma Aventura Congelante

Melhor documentário
O Ato de Matar

Melhor filme estrangeiro
A Grande Beleza

Melhor trilha sonora
Steven Price (Gravidade)

Melhor direção de fotografia
Emmanuel Lubezki (Gravidade)

Melhor edição
Rush – No Limite da Emoção

Melhor direção de arte
O Grande Gatsby

Melhor figurino
O Grande Gatbsy

Melhor som
Gravidade

Melhores efeitos visuais
Gravidade

Melhor maquiagem e penteado
Trapaça

Melhor curta-metragem de animação
Sleeping With the Fishes

Melhor curta-metragem britânico
Room 8

Melhor ator/atriz revelação
Will Poulter

News: Uma Aventura Lego e Trapaça estreiam hoje!

7 fev

filmes

Hoje tem as estreias de Trapaça, um longa que está indicado ao Oscar em várias categorias, inclusive por melhor filme, melhor atriz e ator, e Uma Aventura Lego, que é uma ótima programação para a garotada e também para os adultos que adoram filmes desse tipo. Além disso, Trapaça traz um elenco super afinado como Christian Bale, Amy Adams, Jennifer Lawrence, Bradley Cooper e Jeremy Renner. Não dá pra perder!

Trapaça: “Irving Rosenfeld (Christian Bale) é um grande trapaceiro, que trabalha junto da sócia e amante Sydney Prosser (Amy Adams). Os dois são forçados a colaborar com um agente do FBI (Bradley Cooper), infiltrando o perigoso e sedutor mundo da máfia. Ao mesmo tempo, o trio se envolve na política do país, através do candidato Carmine Polito (Jeremy Renner). Os planos parecem dar certo, até a esposa de Irving, Rosalyn (Jennifer Lawrence), aparecer e mudar as regras do jogo.”

Uma Aventura Lego: “Emmet (Chris Pratt) é um Lego comum, até o dia em que é confundido com o Master Builder, o grande criador deste mundo de brinquedo, por ter encontrado a famosa peça de resistência. Este peça, procurada por todos há séculos, seria capaz de desarmar uma poderosa máquina criada pelo presidente do país, o perverso Sr. Negócios, que pretende colar todas as peças e impedir as mudanças no sistema. Mesmo sem ter grandes habilidades como criador, Emmet gosta de ser considerado um Lego especial, e faz de tudo para merecer a confiança de seus amigos, que incluem a rebelde Mega Estilo, o sábio Vitrúvius, e o gato-unicórnio UniKitty.”

Sinopses por AdoroCinema

Crítica: O Lobo de Wall Street (2014)

2 fev

Cinemascope-O-Lobo-de-Wall-Street-pôster-nacional

O que esperar de um longa do consagradíssimo Martin Scorsese, que já realizou obras primas como Os Bons Companheiros (1990), Cabo do Medo (1991) e o belíssimo A Invenção de Hugo Cabret (2011), que abocanhou 5 estatuetas do Oscar? Acho que ele já nos deu motivos suficientes para ficarmos cada vez mais ansiosos por uma obra sua, mesmo que esta seja algo assim, digamos, bem mais apimentada como O Lobo de Wall Street, que é certamente um filme para pessoas despidas de qualquer tipo de pudor e preconceito.

Traçando um caminho quase que literalmente do infantil (Hugo Cabret)  ao pornô, Scorsese nos apresenta O Lobo de Wall Street, com o eterno Jack de Titanic (rsrsrs), Leonardo DiCaprio, que está realmente brilhante no papel de um corretor sem limites. Não foi à toa que ele ganhou o Globo de Ouro deste ano pela atuação no filme. Entretanto, ouso dizer que esta recente obra de Martin possui muitos outros atributos que o fazem um excelente filme de, como dizem por aí…. “ostentação”(rsrsrs).

A trama conta a história de Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio), um jovem e promissor corretor de valores, que havia conseguido uma oportunidade na badalada Wall Street, uma rua onde se concentra o maior centro financeiro dos Estados Unidos e também do mundo. Jordan entra sem muita experiência, porém com um desejo insaciável de vencer na vida, e tudo fica ainda mais deslumbrante quando ele conhece o seu mentor Mark Hanna (Matthew McConaughey), que começa a lhe mostrar como realmente este mundo de corretagem funciona, o que lhe causa ainda mais interesse pela profissão. Com pouco tempo de contratado como funcionário do lugar, a bolsa sofre uma queda brusca em suas ações,  o chamado Black Monday, o que leva a demissão de Jordan e de alguns outros. Todavia, quando as coisas começam a apertar, Belfort decide ir trabalhar em uma empresa de pequena escala, muito menor, e que atua com ações fora do pregão, ou seja, fora da bolsa de valores, mas que garantem um ótimo retorno para o corretor. É então que ele decide fazer disso um ótimo negócio, chamando seu amigo Donnie (Jonah Hill) para ser seu sócio e em seguida eles criam a Stratton Oakmont, uma empresa que os faz enriquecer rapidamente, proporcionando uma vida de luxo e total prazer (esse último então nem se fala…rsrs).

O que dizer de DiCaprio nesse papel ? Realmente maravilhoso, acho que ele a cada vez mais vem se superando como ator, pois não tinha como não perceber que ele realmente estava se divertindo nesse personagem, se entregando a cada cena, sem qualquer pudor. Não foi à toa que o mesmo esperou esse papel por anos e realmente fez jus à toda essa expectativa amontoada dentro de si. Eu fiquei realmente impressionado com a cena na qual ele se contorce todo e vai se arrastando até o carro, devido a uma convulsão resultante do consumo em excesso de uma potente droga.

Jonah Hill é outro que não tem qualquer tipo de pudor para filmes desse tipo, visto várias outras obras, que é claro não são tão pesadas como essa, mas que seguem basicamente a mesma linha de libertinagem como em É o Fim (2013). Hill dá seu recado em O Lobo de Wall Street e consegue se sair muito bem como o grande amigo de DiCaprio no longa, além de realizar as maiores bizarrices sem qualquer sensação de constrangimento.

Uma ótima tática usada no longa por Scorsese , foi a do “flashback”, que aparece em várias cenas nas quais a auto-narrativa era utilizada. Aliás, essa narrativa também foi um outro ponto alto da película, pois ela constrói uma contemporaneidade muito bem encaixada em cada cena em específico. E isso fez com que um filme de quase 3 horas, se tornasse bastante interessante, e em momento algum, causasse cansaço ou desconforto, bom, pelo menos pra mim.

O Lobo de Wall Street também trouxe vários elementos de época como a depilação íntima feminina, que outrora havia causado um enorme alvoroço nos EUA, o início de uma certa liberdade sexual e também mostrou de um jeito bastante explícito, as depravações e o uso abusivo de drogas e outras artimanhas por pessoas de alto poder aquisitivo. O mais interessante é saber que tudo isso foi baseado em fatos reais, ou seja, quando a gente está se “fudendo” na vida, existe realmente alguém que está fazendo isso no sentido literal da coisa e ganhando muito dinheiro em cima disso, inclusive. Tenso isso, né? (rsrss).

Então se você faz a linha puritana, não gosta de cernas fortes, sexo, putaria, drogas, entre outras coisas quando vai ao cinema, não assista esse filme, pois certamente você vai se levantar com menos de 5 minutos dele já ter começado. Muitos vão achar que é uma apologia a tudo isso, mas eu acredito que a função do longa vai muito além de qualquer visão hipócrita que possam ter dele.

Trailer:

News: Frankenstein – Entre Anjos e Demônios, O Lobo de Wall Street e O Herdeiro do Diabo estreiam hoje!

24 jan

aaaa-600x339-horzll

Para você que não sabe o que fazer nesse fim de semana, nós do Foca na Pipoca, estamos aqui para dar aquela dica de cinema!

Nesta sexta-feira (24), estreiam os longas Frankenstein – Entre Anjos e Demônios, O Lobo de Wall Street e O Herdeiro do Diabo. Pronto! tem ação, aventura, terror, sexo e muito mais para que ninguém fique de fora 😉

Aliás  O Lobo de Wall Street está indicado ao Oscar como melhor filme e também como melhor ator com Leonardo DiCaprio, além do bonitão também já ter faturado o Globo de Ouro. Este eu quero muito ver, pois dizem que está um bacanal, que só assistindo (rsrsrs).

Frankenstein – Entre Anjos e Demônios: Interpretado por Aaron Eckhart (Invasão à Casa Branca), Adam, uma criatura, cuja procedência é bastante misteriosa, tem a missão de evitar uma guerra sem fim entre anjos e demônios

O Lobo de Wall Street: “Durante seis meses, Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) trabalhou duro em uma corretora de Wall Street, seguindo os ensinamentos de seu mentor Mark Hanna (Matthew McConaughey). Quando finalmente consegue ser contratado como corretor da firma, acontece o Black Monday, que faz com que as bolsas de vários países caiam repentinamente. Sem emprego e bastante ambicioso, ele acaba trabalhando para uma empresa de fundo de quintal que lida com papéis de baixo valor, que não estão na bolsa de valores. É lá que Belfort tem a ideia de montar uma empresa focada neste tipo de negócio, cujas vendas são de valores mais baixos mas, em compensação, o retorno para o corretor é bem mais vantajoso. Ao lado de Donnie (Jonah Hill) e outros amigos dos velhos tempos, ele cria a Stratton Oakmont, uma empresa que faz com que todos enriqueçam rapidamente e, também, levem uma vida dedicada ao prazer”

O Herdeiro do Diabo: “Logo após o casamento de Jack e Samantha, este casal apaixonado recebe a boa notícia: eles vão ter um bebê. A gravidez chega antes do planejado, mas os dois ficam contentes e começam a se preparar para a chegada do primeiro filho. Samantha começa a ficar cada vez mais tensa, nervosa. Inicialmente, todos acreditam que são apenas os hormônios em transformação, mas logo percebem que uma força maligna se apoderou do corpo dela. “

Sinopses de O Lobo de Wall Street e O Herdeiro do Diabo por AdoroCinema

News: Veja a lista dos indicados ao Oscar 2014

16 jan

86th_academy_awards_n_fran

Na manhã dessa quinta-feira (16), a Academy Awards divulgou a lista dos indicados ao maior prêmio da indústria cinematográfica, o Oscar 2014.

Dentre os indicados, que na verdade não ficou muito diferente do já imaginávamos, temos os longas Gravidade e Trapaça com o maior número de indicações na premiação.

Além disso, as categorias de atriz e atriz coadjuvante estão bem acirradas, imagina você ter em uma mesma categoria  Cate BlanchettSandra Bullock e a magnífica Meryl Streep concorrendo juntas? Difícil, hein!

A cerimônia da 86ª edição do Oscar 2014 irá acontece no dia 02 de março de 2014.

Filme
“12 anos de escravidão”
“Gravidade”
“Trapaça”
“Capitão Phillips”
“Clube de compras Dallas”
“Ela”
“Nebraska”
“Philomena”
“O lobo de Wall Street”

Diretor
Alfonso Cuarón, de “Gravidade”
Martin Scorsese, de “O lobo de Wall Street”
Steve McQueen, de “12 anos de escravidão”
Alexander Payne, de “Nebraska”
David O. Russell, de “Trapaça”

Ator
Christian Bale, de “Trapaça”
Bruce Dern, de “Nebraska”
Leonardo DiCaprio, de “O lobo de Wall Street”
Chiwetel Ejiofor, de “12 anos de escravidão”
Matthew McConaughey, de “Clube de compras Dallas”

Atriz
Cate Blanchett, de “Blue Jasmine”
Sandra Bullock, de “Gravidade”
Judi Dench, de “Philomena”
Amy Adams, de “Trapaça”
Meryl Streep, de “Álbum de família”

Ator coadjuvante
Barkhad Abdi, de “Capitão Phillips”
Bradley Cooper, de “Trapaça”
Michael Fassbender, de “12 anos de escravidão”
Jared Leto, de “Clube de compras Dallas”
Jonah Hill, de “O lobo de Wall Street”

Atriz coadjuvante
Sally Hawkins, de “Blue Jasmine”
Jennifer Lawrence, de “Trapaça”
Lupita Nyong’o, de “12 anos de escravidão”
Julia Roberts, de “Álbum de família”
June Squibb, de “Nebraska”

Filme estrangeiro
“Alabama Monroe” (Bélgica)
“A grande beleza” (Itália)
“A caça” (Dinamarca)
“The missing picture” (Camboja)
“Omar” (Palestina)

Roteiro original
Eric Warren Singer e David O. Russell, de “Trapaça”
Woody Allen, de “Blue Jasmine”
Craig Borten e Melisa Wallack, de “Clube de compras Dallas”
Spike Jonze, de “Ela”
Bob Nelson, de “Nebraska”

Roteiro adaptado
Billy Ray, de “Capitão Phillips”
Richard Linklater, Julie Delpy e Ethan Hawke, de “Antes da meia-noite”
Steve Coogan e Jeff Pope, de “Philomena”
John Ridley, de “12 anos de escravidão”
Terence Winter, de “O lobo de Wall Street”

Animação
“Os Croods”
“Ernest & Celestine”
“Frozen: Uma aventura congelante”
“Meu malvado favorito 2”
“Vidas ao vento”

Documentário em longa-metragem
“The act of killing”
“Cutie and the Boxer”
“Dirty Wars”
“The Square”
“20 Feet from Stardom”

Documentário em curta-metragem
“CaveDigger”
“Facing fear”
“Karama has no walls”
“The lady in number 6: Music saved my life”
“Prison terminal: The last days of private Jack Hall”

Fotografia
“O grande mestre”
“Gravidade”
“Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
“Nebraska”
“Os suspeitos”

Edição
“Trapaça”
“Capitão Phillips”
“Clube de compras Dallas”
“Gravidade”
“12 anos de escravidão”

Trilha sonora original
John Williams, de “A menina que roubava livros”
Steven Price, de “Gravidade”
William Butler e Owen Pallett, de “Ela”
Alexandre Desplat, de “Philomena”
Thomas Newman, de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins”

Canção original
“Alone Yet Not Alone”, de “Alone Yet Not Alone” – Bruce Broughton (música) e Dennis Spiegel (letra)
“Happy”, de “Meu malvado favorito 2” – Pharrell Williams (música e letra)
“Let it Go”, de “Frozen: Uma aventura congelante” – Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez (música e letra)
“The Moon Song”, de “Ela” – Karen O (música e letra) e Spike Jonze (letra)
“Ordinary Love”, de “Mandela: Long walk to freedom”

Efeitos visuais
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“Homem de ferro 3”
“O cavaleiro solitário”
“Star trek: além da escuridão”

Edição de som
“All Is Lost”
“Capitão Phillips”
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“O grande herói”

Mixagem de som
“Capitão Phillips”
“Gravidade”
“O hobbit: A desolação de Smaug”
“Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”
“O grande herói”

Curta-metragem
“Aquel no era yo”
“Avant que de tout perdre”
“Helium”
“Pitääkö Mun Kaikki Hoitaa?”
“The Voorman Problem”

Curta-metragem de animação
“Feral”
“Get a horse!”
“Mr. Hublot”
“Possessions”
“Room on the broom”

Figurino
“Trapaça”
“O grande mestre”
“O grande Gatsby”
“The Invisible Woman”
“12 anos de escravidão”

Design de produção
“Trapaça”
“Gravidade”
“O grande Gatsby”
“Ela”
“12 anos de escravidão”

Maquiagem e cabelo
“Clube de compras Dallas”
“Jackass apresenta: Vovô sem vergonha”
“O cavaleiro solitário”

Fonte: G1

Crítica: Álbum de Família (2013)

30 dez

Album-de-Familia-cartaz-nacional

O que dizer de um filme com um elenco como Meryl Streep, Julia Roberts, Ewan McGregor, Juliette Lewis e cia ? Pois é, nada muito além de que no mínimo ele será bom. E não nos enganamos, pois Álbum de Família, um longa aparentemente bucólico, conseguiu atingir excelentes resultados apenas com diálogos interessantíssimos.

Estava namorando este filme desde que soube de sua estreia lá nos EUA. Na verdade como eu amo tudo o que Meryl Streep faz, não poderia deixar de ver uma obra na qual ela contracena com outros grandes nomes do cinema mundial.

Então, Álbum de Família é uma adaptação teatral escrita e finalizada por Tracy Letts, e que fez muito sucesso durante sua exibição na terra do Tio Sam. Para nossa sorte, tiveram a ideia de recriá-la para o cinema e de quebra com um elenco super massa. A trama que vai quase que literalmente do céu ao inferno, conta a história das filhas Barbara (Julia Roberts), Ivy (Julianne Nicholson) e Karen (Juliette Lewis), que precisam se reunir novamente para cuidar de sua mãe doente Violet (Meryl Streep), após o desaparecimento de seu pai. O problema é que com a convivência e o difícil temperamento de todos, principalmente de Violet, que sofre de câncer e toma vários remédios para se manter bem, a situação acaba se tornando cada vez mais impraticável, e com isso, vários outros problemas surgem à tona.

Já digo de antemão que também seria quase que impossível um resultado tão surpreendente sem a brilhante direção de John Wells, que conseguiu tirar todo o aspecto teatral da obra e impor  de forma grande um clima cinematográfico. É óbvio que existem cenas que mais parecem monólogos do que qualquer outra coisa, mas elas são tão bem realizadas e dirigidas, que superam qualquer expectativa. É incrível também compreender que a película consegue ir do drama a comédia de uma forma impecável, e uma das responsáveis por todo esse trabalho bem feito é certamente a rainha e diva absoluta Meryl Streep. A atriz está tão espetacular, que em apenas uma única cena, na qual ela pede um pouco de hidratante para Juliette Lewis, é possível sentir o aroma do creme e a cena quase que literalmente invade o olfato do público. Além disso, a maestria com que ela interpreta sua personagem, que é totalmente bipolar devido ao abuso de remédios, é impressionante, e isso faz com que a dinâmica do longa seja bastante acrescida.

Julia Roberts também, acredito eu, encontra-se em um dos melhores papéis de toda sua carreira. Ela nos apresenta uma atuação concisa e consegue passar todos os lados de sua personagem, que é a da filha mais velha, aquela que é culpada por tudo, por ter abandonado o lar, por não dar atenção suficiente, mas que ao mesmo tempo, se preocupa e pensa sempre no melhor para sua família. Lewis também não fica de fora e faz brilhantemente a personagem Karen, a mais descolada das irmãs, mas que também não se sente totalmente resolvida e precisa se encontrar em seus parceiros. Ewan McGregorAbigail Breslin, Margot Martindale e todo o elenco estão completamente afinadíssimos.

Posso destacar ainda mais aspectos, afinal, qualidades é que não faltam. O longa nos apresenta uma excelente trilha sonora, bem propícia para o que  a trama se propõe, e faz com que entremos ainda mais fundo na cultura de toda aquela gente reunida. A fotografia é um outro ponto a favor, eu ficava encantado com as passagens de tempo e os enfoques na natureza ali apresentada.

E ah! não posso me esquecer de uma das cenas mais célebres do longa, na qual Julia Roberts ataca a personagem de Streep, após um intenso diálogo muito bem dirigido por Wells. Talvez essa cena seja uma das responsáveis pela indicação ao Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia/Musical. Espero sinceramente que a película ganhe e vá para o Oscar como favorita. Só ainda não posso torcer por Meryl para melhor atriz, pois mesmo com toda a excelência da mesma, Cate Blanchett ainda é minha favorita por Blue Jasmine, mas apenas digo que o pálio vai ser duríssimo.

Trailer:

News: Novo filme de Woody Allen ganha data de estreia

26 dez

20643437

Mesmo com Blue Jasmine, seu mais recente filme ainda b0mbando por aí, o diretor Woody Allen já planeja seu próximo trabalho e com data de estreia definida.

O próximo longa do cineasta Magic in the Moonlight, contará com estrelas como Colin FirthEmma StoneMarcia Gay Harden e Jacki Weaver. A obra será totalmente rodada na França e estreara dia 15 de agosto de 2014 aqui no Brasil.

Enquanto isso, Blue Jasmine está a todo vapor na corrida para o Oscar, principalmente na categoria de Melhor Atriz com Cate Blanchett, uma das favoritas ao prêmio e digo, merecidamente.

%d blogueiros gostam disto: