Tag Archives: Jonah Hill

News: Anjos da Lei 2, Se Eu Ficar e Hércules estreiam para este fim de semana!

5 set

257469

E aí galera! Tem algum tempo que eu não posto as estreias para o fim de semana aqui no blog, mas hoje resolvi interromper o jejum, visto que meus leitores precisam estar bem inteirados dentro do que acontece nas salas de cinema desse meu Brasil.

Bom, estrearam ontem três super produções: Hércules, Se Eu Ficar e Anjos da Lei 2 com o gostosão do Channing Tatum e o engraçadinho do Jonah Hill.

Então vamos ao que interessa!

Anjos da Lei 2: “Os oficiais Schmidt (Jonah Hill) e Jenko (Channing Tatum) têm agora uma nova missão: se infiltrar em uma faculdade local. O problema é que, em meio à investigação, Jenko conhece sua alma gêmea em plena equipe de atletismo e Schmidt, após se infiltrar no centro de arte boêmia, começa a questionar a dupla. Em meio aos inevitáveis problemas de relacionamento, eles precisam encontrar um meio de desvendar o caso que estão investigando”.

Se Eu Ficar: “Mia Hall (Chlöe Grace Moretz) é uma prodigiosa musicista que vive a dúvida de ter que decidir entre a dedicação integral à carreira na famosa escola Julliard e aquele que tem tudo para ser o grande amor de sua vida, Adam (Jamie Blackley). Após sofrer um grave acidente de carro, a jovem perde a família e fica à beira da morte. Em coma, ela reflete sobre o passado e sobre o futuro que pode ter, caso sobreviva”.

Hércules: “Filho de Zeus, o semi-deus Hércules (Dwayne Johnson) sofre há 400 anos, por ter perdido toda a sua família. Após realizar os doze trabalhos, ele conhece seis homens sanguinários e impiedosos, e une-se ao grupo em busca de novas tarefas e de qualquer trabalho que puder encontrar, com a condição de ser remunerado. Esses homens assassinam diversas pessoas em seu caminho, e com isso acabam despertando fama na região, até que o rei da Trácia chama Hércules e convida-o a treinar o seu exército, na intenção de transformá-los em verdadeiros mercenários”.

Sinopses por AdoroCinema

Crítica: O Lobo de Wall Street (2014)

2 fev

Cinemascope-O-Lobo-de-Wall-Street-pôster-nacional

O que esperar de um longa do consagradíssimo Martin Scorsese, que já realizou obras primas como Os Bons Companheiros (1990), Cabo do Medo (1991) e o belíssimo A Invenção de Hugo Cabret (2011), que abocanhou 5 estatuetas do Oscar? Acho que ele já nos deu motivos suficientes para ficarmos cada vez mais ansiosos por uma obra sua, mesmo que esta seja algo assim, digamos, bem mais apimentada como O Lobo de Wall Street, que é certamente um filme para pessoas despidas de qualquer tipo de pudor e preconceito.

Traçando um caminho quase que literalmente do infantil (Hugo Cabret)  ao pornô, Scorsese nos apresenta O Lobo de Wall Street, com o eterno Jack de Titanic (rsrsrs), Leonardo DiCaprio, que está realmente brilhante no papel de um corretor sem limites. Não foi à toa que ele ganhou o Globo de Ouro deste ano pela atuação no filme. Entretanto, ouso dizer que esta recente obra de Martin possui muitos outros atributos que o fazem um excelente filme de, como dizem por aí…. “ostentação”(rsrsrs).

A trama conta a história de Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio), um jovem e promissor corretor de valores, que havia conseguido uma oportunidade na badalada Wall Street, uma rua onde se concentra o maior centro financeiro dos Estados Unidos e também do mundo. Jordan entra sem muita experiência, porém com um desejo insaciável de vencer na vida, e tudo fica ainda mais deslumbrante quando ele conhece o seu mentor Mark Hanna (Matthew McConaughey), que começa a lhe mostrar como realmente este mundo de corretagem funciona, o que lhe causa ainda mais interesse pela profissão. Com pouco tempo de contratado como funcionário do lugar, a bolsa sofre uma queda brusca em suas ações,  o chamado Black Monday, o que leva a demissão de Jordan e de alguns outros. Todavia, quando as coisas começam a apertar, Belfort decide ir trabalhar em uma empresa de pequena escala, muito menor, e que atua com ações fora do pregão, ou seja, fora da bolsa de valores, mas que garantem um ótimo retorno para o corretor. É então que ele decide fazer disso um ótimo negócio, chamando seu amigo Donnie (Jonah Hill) para ser seu sócio e em seguida eles criam a Stratton Oakmont, uma empresa que os faz enriquecer rapidamente, proporcionando uma vida de luxo e total prazer (esse último então nem se fala…rsrs).

O que dizer de DiCaprio nesse papel ? Realmente maravilhoso, acho que ele a cada vez mais vem se superando como ator, pois não tinha como não perceber que ele realmente estava se divertindo nesse personagem, se entregando a cada cena, sem qualquer pudor. Não foi à toa que o mesmo esperou esse papel por anos e realmente fez jus à toda essa expectativa amontoada dentro de si. Eu fiquei realmente impressionado com a cena na qual ele se contorce todo e vai se arrastando até o carro, devido a uma convulsão resultante do consumo em excesso de uma potente droga.

Jonah Hill é outro que não tem qualquer tipo de pudor para filmes desse tipo, visto várias outras obras, que é claro não são tão pesadas como essa, mas que seguem basicamente a mesma linha de libertinagem como em É o Fim (2013). Hill dá seu recado em O Lobo de Wall Street e consegue se sair muito bem como o grande amigo de DiCaprio no longa, além de realizar as maiores bizarrices sem qualquer sensação de constrangimento.

Uma ótima tática usada no longa por Scorsese , foi a do “flashback”, que aparece em várias cenas nas quais a auto-narrativa era utilizada. Aliás, essa narrativa também foi um outro ponto alto da película, pois ela constrói uma contemporaneidade muito bem encaixada em cada cena em específico. E isso fez com que um filme de quase 3 horas, se tornasse bastante interessante, e em momento algum, causasse cansaço ou desconforto, bom, pelo menos pra mim.

O Lobo de Wall Street também trouxe vários elementos de época como a depilação íntima feminina, que outrora havia causado um enorme alvoroço nos EUA, o início de uma certa liberdade sexual e também mostrou de um jeito bastante explícito, as depravações e o uso abusivo de drogas e outras artimanhas por pessoas de alto poder aquisitivo. O mais interessante é saber que tudo isso foi baseado em fatos reais, ou seja, quando a gente está se “fudendo” na vida, existe realmente alguém que está fazendo isso no sentido literal da coisa e ganhando muito dinheiro em cima disso, inclusive. Tenso isso, né? (rsrss).

Então se você faz a linha puritana, não gosta de cernas fortes, sexo, putaria, drogas, entre outras coisas quando vai ao cinema, não assista esse filme, pois certamente você vai se levantar com menos de 5 minutos dele já ter começado. Muitos vão achar que é uma apologia a tudo isso, mas eu acredito que a função do longa vai muito além de qualquer visão hipócrita que possam ter dele.

Trailer:

Crítica: É o Fim (2013)

21 out

Imagem

O que esperar de um filme com James Franco, Seth Rogen, Jonah Hill, Danny McBride e Emma Watson interpretando eles mesmos em uma comédia totalmente “nonsense” ? Pois é, nada além de muita baixaria, piadas fuleiras, coisas sem sentido e por aí vai. No entanto, não é que dessa vez funcionou direitinho?

Quando eu li que este filme estava na lista do Tarantino dos dez melhores longas de 2013, juro que fiquei bastante curioso, mas ainda sim com um pé atrás, afinal, com quantos filmes desse tipo a gente já não quebrou a cara? Fiquei receoso, mas ainda sim com muita vontade de ver.

É o Fim, dirigido pelo próprio Seth Rogen e também pelo competente Evan Goldberg, é uma daquelas comédias com a pura intenção de tirar sarro de alguma coisa, neste caso, de todos aqueles filmes apocalípticos como O Exorcista, Resident Evil, Os Escolhidos etc. A trama até apela para o lado religioso, se assim você consegue compreender. O negócio é que ele funciona muito, mas muito bem!

A trama gira em torno dos grande amigos Seth Rogen e Jay Baruchel, que vão a uma super festa na casa do astro de Hollywood, James Franco. Lá, em meio a muita badalação, eles conhecem várias celebridades, tais como, Emma Watson e até a cantora Rihanna. De repente, não mais que de repente, ouve-se um barulho e tudo começa a tremer, pessoas são transportadas para um outro plano, muitas explosões e o caos total se estabelece. Todos em seguida vão para o lado de fora da mansão e visualizam literalmente “o mundo se acabando”.

Olha, acho que o grande acerto do filme foi justamente não se levar tão a sério, e Rogen, juntamente com Goldberg, conseguiram fazer isso muito bem. As atuações estão bem representativas, até porque não tinham tantos requisitos e as piadas, mesmo que já manjadas em outros filmes do gênero, funcionaram bem demais. A química entre o elenco era totalmente visível, o que fez com que as cenas ficassem ainda mais engraçadas. Os efeitos não eram lá essas coisas, mas super combinavam com a proposta do longa, além de frisar a intencionalidade do mesmo.

Gente, juro que não aguentei quando começou a tocar I Will Always Love You da falecida Whitney Houston no auge da trama (hehehehe), acho que fui o mais contagiado com a cena naquela hora (hehehehe), aquilo foi totalmente hilário. Outro ponto ágil da película foram os sustos, muito poucos, mas que funcionaram bem.

No mais, consigo destacar o grande sarro que tiraram de todas aquelas histórias apocalípticas quem contém na Bíblia e a “Big” aparição dos Backstreet Boys, afinal, ouvir Everybody (yeah!) foi totalmente emblemático (heheeh). Super recomendo!

Trailer:

%d blogueiros gostam disto: