Crítica: O Exótico Hotel Marigold 2 (2015)

11 maio

183635h1

Não tenho palavras para expressar o que senti ao assistir O Exótico Hotel Marigold 2. De verdade, fiquei bastante encantado com o rumo que o roteirista Ol Parker e o diretor John Madden deram para este segundo longa aparentemente tão clichê.

Nesta segunda parte, todos os personagens do primeiro filme retornam para um mergulho muito mais profundo dentro de suas emoções em terras indianas. Desta vez temos o simpático e característico estabelecimento sendo comandado pelo jovem e sonhador Sonny (Dev Patel) e a adorável senhora Muriel (Maggie Smith), que havia resolvido ficar na Índia e ajudar o iniciante empresário na administração do lugar.

A aventureira senhora Evelyn (Judi Dench) também continua hospedada no Hotel Marigold, já que havia encontrado um emprego pela região e ainda tentava entender seus reais sentimentos por Douglas (Bill Nighy), outro hóspede que decidiu ampliar sua estadia pelo lugar. Já a madame Madge Hardcastle (Celia Imrie), o senhor Norman (Ronald Pickup) e sua bela namorada Carol Parr (Diana Hardcastle) completam o quadro de hóspedes do Exótico Marigold.

Toda a trama de O Exótico Hotel Marigold 2 gira em torno do esperado casamento entre Sonny e Sunaina (Tena Desae), que após muitos contratempos conseguiram ficar juntos. Paralelo a isso, o jovem indiano também precisa lidar com problemas na administração do hotel para poder ampliar seus negócios com uma nova franquia. No entanto, o que de melhor esta película nos traz são os conflitos e anseios dos hóspedes do Marigold.

Desta vez o diretor John Madden conseguiu explorar com maestria todo o potencial de seu elenco, o que realmente havia faltado no primeiro filme. O cineasta apostou na experiência de atores como Maggie Smith, Judi Dench, Bill Nighy e Celia Imrie, e acertou em cheio. Isso foi o que deu todo charme e completude à sua obra. Além da inclusão de novos dramas e personagens como o de Richard Gere, o tom de comédia mais acentuado também surgiu como outro ponto a favor desta película. Isso, sem dúvidas, também foi resultado do belo trabalho do ator Ronald Pickup, que conseguiu nos trazer um pouco mais do lado caricato e simpático de seu personagem.

A trilha sonora de O Exótico Hotel Marigold 2 se mostrou belíssima e totalmente condizente com a proposta do filme. A ótima música atrelada à bela fotografia, cheia de cores vibrantes e sensações características, me fez sentir muito mais perto da Índia com toda a certeza. Isso sem falar na simplicidade e beleza de suas locações que passam por ruas, costumes e a população local. É fascinante!

Esta obra é certamente uma daquelas que não podem faltar na sua prateleira de cinema particular. Se você está afim de um filme com boas atuações e um ótimo roteiro para passar uma noite agradável, O Exótico Hotel Marigold 2 é a escolha perfeita!

Trailer:

Anúncios

Uma resposta to “Crítica: O Exótico Hotel Marigold 2 (2015)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: