Crítica: A Maldição de Chucky (2013)

7 out

Imagem

Nossa! foram anos assistindo aos filmes do boneco mais aterrorizante da década de 80 e 90. Chucky com certeza marcou época e ficou na mente de todos os coleguinhas da minha geração. Entretanto, não posso dizer o mesmo do último filme do boneco Bonzinho.

Quando me disseram que iriam realizar mais um longa da franquia e que o mesmo seria nos moldes dos inciais,eu fiquei super ansioso, afinal, os dois primeiros são clássicos do terror, muito bons!

A Maldição de Chucky até que tentou, mas morreu na praia. Assim, acho que até conseguiram captar alguma coisa do início, mas tudo se perdeu e a direção de Don Mancini foi desastrosa. A caracterização do boneco até que estava bem feita. Tá certo que em algumas cenas parecia que ele tinha acabado de fazer uma operação plástica pelo SUS, mas no geral ele dava medo sim.

A sinopse gira em torno de Nica (Fiona Dourif), uma mulher paraplégica que recebe uma encomenda misteriosa em sua casa. Ela abre o pacote e lá contém um boneco misterioso, o Chucky. Após sua mãe morrer misteriosamente, ela recebe seus parentes mais próximos para realizarem o funeral e discutirem o bens de família. Neste amontoado de gente encontram-se a irmã autoritária Barb (Danielle Bisutti), seu marido Ian (Brennan Elliott), a babá Jill (Maitland McConnell) e a pequena Alice (Summer H. Howell). Daí, pra quem já conhece um pouco dos filmes do Chucky, já pode imaginar mais ou menos o que acontece depois.

Pois é, tudo muito igual, só que piorado. Digo, as cenas de Trash estão muito bizarras, cada morte que eu vou te contar! O que foi aquele eletrocutamento? Alguém me diz? Ou aquela cadeira voadora? Tenso, muito tenso!

Para não dizer que eu sou uma má pessoa, posso dizer que um dos únicos acertos do longa foi a voz do boneco feita por Brad Dourif, que está bem original, ou as tentativas de elaborar algum enredo para os longas posteriores. Ouso dizer que algumas aparições me deixaram bem felizes, principalmente a que aparece bem no final dos créditos-vejam até o final-, isso sim foi interessante.

De resto o filme é dispensável, mas vale a pena ver só porque o Chucky deixou saudades. Pois é, deixou….

Trailer:

4 Respostas to “Crítica: A Maldição de Chucky (2013)”

  1. Miguel outubro 11, 2013 às 12:55 am #

    que exagero, o filme foi mto bom… tanto que superou o 3, 4 e 5

    • Foca na Pipoca outubro 11, 2013 às 8:51 pm #

      Na minha opinião só foi melhor que A Noiva de Chucky e o Filho de Chucky, até porque estes citados apelaram muito mais para a comédia do que para o terror em si. Comparado ao 3 este filme é muito fraquinho.

    • André Gomes outubro 26, 2013 às 3:20 am #

      Não curti o filme não. Esperava bem mais 😦

  2. André Gomes outubro 26, 2013 às 3:19 am #

    Achei o filme uma piada. Esperava muito mais! Não me assustei, apenas achei as cenas de “terror” engraçadas. O boneco mesmo ficou muito menos assustador do que nas outras edições do filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: